08 de Junho de 2017

Orkut diz que 'vivemos uma cultura de narcisismo'

Para criador da Orkut.com, hello ajuda a voltar as raízes das comunidades online

As redes sociais estão nos tornando narcisistas e frios? Pelo menos é o que acha Orkut Buyukkokten, agora dono da hello. Em um post na plataforma Medium, o homem por trás da rede social Orkut, sucesso no Brasil até ser descontinuada pelo Google em 2014, defende os motivos pelos quais precisamos de uma nova rede social. Para ele, em vez de nos unir, as redes estão nos deixando depressivos e com medo de estar online. Uma pesquisa recente, inclusive, apontou o Instagram como a pior rede social para saúde mental de jovens.

Em um ataque velado às plataformas de Mark Zuckerberg (Facebook,WhatsApp e Instagram), Orkut defende os motivos pelo qual a hello pode suprir um "gap emocional deixado pelo Facebook. Segundo ele, a sua nova empreitada é construída com amor e não curtidas.

Para Orkut, as redes sociais estão nos deixando infelizes por conta da forma como trabalham os algoritmos. Com o bombardeio de highlights dos amigos, podemos não nos sentir capazes de satisfazer o que criamos como o esperado. “Navegamos pelos destaques dos nossos amigos e nos preocupamos com o que não nos encaixamos; podemos ter medo de não sermos suficientemente bons porque não podemos satisfazer as expectativas irrealistas da sociedade”, destaca em seu post.

Cultura do narcisismo

O desenvolvedor fala também sobre a cultura do narcisismo, citando estar preocupado com uma uma geração que acompanha as irmãs Kardashians. Para o dono da hello, as pessoas deveriam refletir sobre um propósito e não sobre ser ou não famosas online como as celebridades.

"A aparência externa tornou-se mais importante do que a forma como tratamos os outros. Esquecemos que o que realmente importa está por dentro? Parece que não estamos seguindo nossos corações. Estou preocupado com uma geração que tenta acompanhar as Kardashians", escreveu.

Compartilhe / Comente

Notícias Relacionadas

« Voltar

Copyright © 2017 - Todos os direitos reservados

Rio Verde Agora