09 de Dezembro de 2016

Com olhos em 2018, José Eliton diz que não vai admitir erros em gestão de recursos

Em entrevista ao repórter Rubens Salomão, da 730, José Eliton falou sobre os recursos provenientes da venda Celg, mais de R$ 2 bilhões, e que o governo ainda avalia os impactos que as obras trarão ao Estados de Goiás

O vice-governador de Goiás José Eliton (PSDB) afirmou que já iniciou reuniões com os secretários de governo para verificar o mapeamento de obras em todo o estado e as consideradas prioritárias, já a partir de 2017.

Em entrevista ao repórter Rubens Salomão, da 730, José Eliton falou sobre os recursos provenientes da venda Celg, mais de R$ 2 bilhões, e que o governo ainda avalia os impactos que as obras trarão ao Estados de Goiás.

“Nós temos a compreensão clara que os recursos advindos da venda da Celg são finitos e, portanto, o governador Marconi Perillo já estabeleceu como diretriz primeira da locação de recursos para investimentos a questão relacionada ao impacto que essas obras advirão no processo de desenvolvimento do Estado”, argumenta.

O vice-governador, que deixa o comando da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP), conforme anúncio feito pelo governador Marconi Perillo na semana passada, fica agora à frente da gestão dos recursos que serão utilizados em obras estruturantes do governo estadual.

Segundo José Eliton, cada secretário define as obras que estão em andamento e aponta o nível de prioridade de cada uma. O vice-governador afirma que não vai admitir erros na administração dos recursos e citou o caso da hidrelétrica de Cachoeira Dourada.

“O que nós não queremos e não vamos fazer, conforme definido pelo governador Marconi, é fazer o equívoco que foi feito em Cachoeira Dourada, em que os gestores da época pulverizaram esses recursos, fizeram tudo quanto é tipo de obra que não trouxe qualquer tipo de impacto econômico para o Estado de Goiás, então é preciso aproveitar muito bem esses recursos de modo que a população sinta efetivamente os resultados práticos, não só na inauguração da obra”, destaca.

Sobre a Lei Orçamentária Anual de 2017, o recurso líquido a ser investido pelo governo é da ordem de R$ 800 milhões. Deputados estaduais fizeram acordo com o governo estadual de aprovar emendas de até R$ 2 milhões cada. Prefeitos e secretários também esperam poder utilizar os recursos. José Eliton frisou que a verba da Celg será para obras estruturantes, e não para custeios administrativos.

“Para as emendas dos parlamentares, nós já temos recursos no orçamento ordinário do Estado para o cumprimento dessas emendas. Não vamos utilizar recursos da privatização da Celg para realizar custeio, para questões relativas a custos ordinários da máquina administrativa. O que vamos fazer é definir o conjunto de ações estruturantes do Estado”.

A respeito das eleições para o governo do Estado, José Eliton é o primeiro nome cotado por Marconi Perillo para sucedê-lo em Goiás. O vice diz que já está reunindo com partidos e base aliada para discutir os projetos até o novo pleito.

“A partir deste momento eu já estou a discutir o processo político dentro do ambiente adequado, que são os partidos políticos, discutindo com seus dirigentes. Ninguém é candidato por si mesmo, é preciso construir primeiro um projeto adequado. E aí é preciso você apresentar à sociedade perspectivas para o futuro, quais são os novos desafios caminhos a serem trilhados, as visões que se tem acerca de interesses da sociedade como Saúde, Educação e Segurança”, confirma.

Portal 730

Compartilhe / Comente

Notícias Relacionadas

« Voltar

Copyright © 2018 - Todos os direitos reservados

Rio Verde Agora