16 de Abril de 2018

Em cartaz: Um lugar silencioso

Filme está em exibição nos dois shoppings de Rio Verde

Dirigido pelo ator John Krasinski, Um Lugar Silencioso é um terror promissor, que, no entanto, não se decide se pende para a prateleira das produções "de arte" ou se embarca logo em um viés mais comercial. (Mais) Conhecido no universo da comédia, o realizador - que faz o papel de Jim Halpert na versão americana da aclamada The Office -, faz uma aposta ousada ao embarcar no filme de gênero, o que é uma escolha louvável, com um bom elenco capitaneado pela esposaEmily Blunt (Sicario: Terra de Ninguém), mas que parece não confiar muito na própria "mitologia".

A Quiet Place (no original) se passa num futuro pós-apocalíptico não muito distante, onde a Terra foi invadida por extraterrestres. Pouco se sabe sobre os invasores, apenas que são cegos e que, ao captar qualquer barulho a partir de um certo nível de ruído, atacam a fonte sonora de forma implacável.

É nesse ambiente suspenso de pura tensão no meio de um milharal - um segundo elemento que evoca Sinais, de M. Night Shyamalan -, que vive a família composta por pai (Krasinski), mãe (Blunt), filho (o menino Noah Jupe, de Extraordinário) e filha (a atriz Millicent Simmonds, deficiente auditiva, que trabalhou com Todd Haynes em Sem Fôlego). Culpa, aceitação e uma gravidez no meio do caminho são alguns dos ingredientes que contribuem para tornar a experiência desta família (e a do espectador) ainda mais aflitiva. Treinando as crianças para sobreviver por conta própria neste contexto, o filme funciona como uma metáfora sobre as responsabilidades (e medos) que rondam a paternidade.

A (boa) premissa é de autoria de dois jovens roteiristas (Bryan Woods e Scott Beck), que assinam o texto final com Krasinski. E não deixa de ser um desafio, afinal, Krasinski e cia. não podem contar aqui (pelo menos, não plenamente) com o apoio do diálogo. Sobretudo nos dois terços iniciais, trata-se quase de um filme mudo. Aí, há dois caminhos a serem explorados na construção de clima: o do som e o da trilha. Quando investe no primeiro recurso (som), o resultado é envolvente.

Seja pela água corrente de um rio, o bater de um coração no estetoscópio, a canção que brota de um fone de ouvido (esse momento é lindo), Um Lugar Silencioso transita entre a apreensão e a emoção de forma genuína. Quando usa a trilha sonora como muleta, o resultado é forçoso, apelativo.

Regras na mesa (de como os ET´s operam), a trama se desenrola de forma a contradizer a própria literatura apresentada ao espectador. Depois de um certo tempo, é possível divagar fazendo perguntas do tipo "mas por que ela não...?", "Como ele não...?", "É possível que...?" Uma parte quer acreditar que se tratam de "licenças poéticas"; como são algumas, no plural, no entanto, levam a concluir que são furos no roteiro mesmo.

Ainda assim, de uma forma geral, o clima angustiante permeia a obra até o fim. Um final, aliás, que é um nocaute.

O filme está em exibição nos dois shoppings de Rio Verde. Para conferir os horários, acesse http://www.cineflix.com.br/programacao/buriti-shopping-rio-verde/ e http://shoppingrioverdego.com.br/filmes. Clicando no ícone “Vídeos”, você assiste ao trailer do longa.

Compartilhe / Comente

Notícias Relacionadas

« Voltar

Copyright © 2018 - Todos os direitos reservados

Rio Verde Agora