23 de Novembro de 2017

Em cartaz: Liga da Justiça

Filme está em exibição no Buriti Shopping Rio Verde

Liga da Justiça é o primeiro filme da Warner a reunir os maiores nomes da DC Comics. Batman v Superman: A Origem da Justiça iniciou a formação da superequipe, mas só agora o time se une em prol da humanidade, como em boa parte dos quadrinhos publicados há quase 60 anos. O longa representa também uma mudança drástica no caminho trilhado pela parceria Warner/DC nos cinemas, pois o tom dramático e sombrio estabelecido em Homem de Aço, e confirmado por BvS, sumiu.  O clima aventuresco e cômico, introduzido no primeiro filme solo da Mulher-Maravilha, é a direção tomada. E, nessa nova toada, Zack Snyder, o comandante do Universo DC nas telonas, tem dificuldades para equilibrar a proposta estabelecida na estreia do Superman de Henry Cavill com a leveza desse novo grupo de heróis.

Enquanto o roteiro tenta lidar com as consequências das guerras dos filmes anteriores, a equipe protagonista não está em sintonia com a gravidade dos acontecimentos. Culpa e depressão rodeiam os conflitos de Batman e Ciborgue, mas o que ganha mais atenção são as piadas e o descompromisso de Flash, Aquaman e (quem diria) do próprio Batman. Ainda que estejam envoltos nesta confusão narrativa, os heróis de Liga da Justiça salvam o filme, ao lado do Superman, que pela primeira vez é retratado da forma clássica - um símbolo de esperança e poder. Cavill finalmente dá imponência e carisma a Kal-El, que é o ponto alto do longa mais esquizofrênico do Universo DC do cinema.

Quando opta por tornar tudo mais cômico, Liga da Justiça esbarra em problemas básicos de roteiro e direção. O texto não ajuda, a maioria das piadas parecem fora de tempo e boa parte das atuações ficam fora de tom. Ben Affleck não é ator de comédia, Ray Fisher não é o cara mais engraçado do mundo e Ezra Miller exagera nas caras e bocas. Por outro lado, Gal Gadot (mais uma vez) esbanja carisma e Jason Momoa surpreende como um Aquaman beberrão e com cara de Jack Sparrow. A procura constante por um alívio cômico num mundo supostamente soturno implica em alguns desperdícios de cena - uma sequência de luta entre dois heróis perto do fim sofre com isso.

Por outro lado, essa opção deixa o filme mais leve, sem o peso dramático desnecessário que tanto travou BvS e O Homem de Aço. Quando reunido, o elenco principal consegue tornar o texto previsível de Snyder/Chris Terrio e Joss Whedon em algo mais palatável. Aquaman tem ótimos momentos e vez ou outra Flash consegue arrancar um sorriso. A tentativa é válida, traz identidade ao time e cria uma conexão interessante entre os heróis. Afinal, não há como unir, no cinema pipoca, um time de super-humanos por meio de discussões filosóficas e existencialistas. Liga é uma aventura simplória, sem compromisso com qualquer consequência e que nasceu para juntar os heróis mais importantes da Terra.

Além de Superman, a ligação entre todos os heróis é o vilão Lobo da Estepe. Comandante de um exército de parademônios, o alienígena está na Terra em busca das Caixas Maternas e pretende destruir o planeta. A motivação é essa, sem muita margem para interpretação. A simplicidade, outrora bem-vinda, aqui se mostra uma falha devido à falta de personalidade e urgência do personagem. Apesar da destruição que ele causa, nada parece importante. Os estragos causados passado por Zod e o próprio Superman foram muito mais impactantes. O poder do Lobo e o arco dele em Liga se limita a juntar as caixas e os heróis. E como a comparação é inevitável, não dá para não lembrar da maioria dos vilões da Marvel, que sempre servem como escada para os protagonistas - aqui acontece exatamente a mesma coisa.

Do Lobo também sai outro ponto discutível de Liga da Justiça: os efeitos visuais. A ausência de Snyder na etapa final da pós-produção (quando, por problemas pessoais, foi substituído por Joss Whedon) é sentida. Conhecido por compor ótimas cenas de ação e possuir uma habilidade rara com esse segmento, o diretor parece não estar lá para evitar péssimos momentos de computação gráfica (remoção do bigode de Cavill) e outros de gosto duvidoso (construção do Lobo). Na maioria das cenas, a composição de luz e cores não agrega à fotografia em si e nenhuma das sequências são memoráveis, diferente do que acontece em BvS (luta entre os dois heróis) ou Homem de Aço (Zod vs Super). O mérito, mais uma vez, fica por conta da direção artística, que dá um tom bem particular aos uniformes heróis, e ao mesmo tempo transmite a unidade ao universo cinematográfico da DC.

Liga da Justiça muda o caminho da DC, mas tem problemas para unir dramaticidade e aventura em um filme só. O tom mira em Mulher-Maravilha, mas erra o alvo. Em termos de estrutura e narrativa, este é um filme que se parece mais com Esquadrão Suicida do que com Batman v Superman. Este último possui identidade e problemas específicos, quase sempre atrelados à assinatura de Snyder. Liga tem erros comuns, falhas vistas em inúmeras produções. Acerta nos personagens, mas se complica na hora de contar a história. E apesar da descaracterização do Batman (antes um herói amargurado, agora um tiozão piadista), o filme traz algo positivo para o futuro da DC nos cinema: o Superman. Se a primeira aventura da Liga não é memorável ao menos ela serve para recuperar o primeiro dos super-heróis. Sim, há esperança.

Compartilhe / Comente

Notícias Relacionadas

« Voltar

Copyright © 2017 - Todos os direitos reservados

Rio Verde Agora