29 de Junho de 2015

Uma nova realidade econômica precisa ser gestada

Quem diz é o economista Marcus Eduardo de Oliveira

É justamente da crise que surge a oportunidade de mudança. A sociedade de consumo, por estar extrapolando os limites ecológicos planetários, evidenciando que o planeta está sufocado pelo consumismo, permitirá a alguns sensatos gestores da economia mundial uma profunda reflexão para a necessária elaboração de uma nova realidade econômica que, num breve espaço de tempo, mudará todo o cenário e a organização da economia global.

Essa é a avaliação feita por Marcus Eduardo de Oliveira, economista e professor do Unifieo e da Fac-Fito, em São Paulo, para quem a gestação dessa nova realidade econômica já se encontra em andamento, ajudada pelos muitos estudos e relatórios científicos produzidos nos últimos anos, que acaba de ganhar mais holofotes com a “encíclica verde” do Papa Francisco, o que certamente, na opinião do economista, provocará mais barulho na COP-21, a ser realizada em dezembro, em Paris.

Ouvido por telefone pela Folha Oeste, no último dia 22, o economista ressaltou que a gestação de uma nova realidade econômica se apresentará em decorrência da maior e mais acentuada crise ecológica e social que o planeta está experimentando, cujos reflexos catastróficos ainda serão mais acentuados daqui pra frente.

Os reflexos da crise ecológica, disse o economista, estão por toda parte, nos avisando, a todo o momento, que o Planeta Terra não suporta mais esse modelo econômico que transformou a natureza em fonte de lucro para atender exclusivamente o mercado de consumo global.

Para Marcus de Oliveira, a atual organização econômica mundial, estruturada desde que a Revolução Industrial se fez presente, nos trouxe até aqui convivendo e produzindo os mais sérios desequilíbrios ambientais que foram capazes de mudar radicalmente o semblante da natureza, extraindo recursos naturais numa velocidade maior que a sua taxa de regeneração, além de superaquecer o planeta e alterar o ritmo climático, ainda ceifa vidas humanas e não humanas aos montes.

O economista lembra, por exemplo, que as mortes associadas à poluição, uma das consequências da produção industrial, segundo recente estudo divulgado pela Organização das Nações Unidas, deverão atingir em 2050 até 3,6 milhões de pessoas.

Essas vítimas fatais, de acordo com o economista, estarão concentradas na Ásia, especialmente na China e Índia, mas o Brasil estará, lamentavelmente, ocupando um dos dez primeiros lugares no ranking de mais mortes por poluição.

Para Oliveira, uma parte considerável da crise social hoje em dia está intimamente associada à crise ambiental, uma vez que os mais pobres têm sido costumeiramente os mais castigados pelos desmandos que as ações humans têm provocado contra o planeta.

Oliveira acentuou que estamos vivendo duas situações em uma só que se interligam: a deterioração da qualidade da vida humana e ecológica e a degradação da vida social, derivadas da mais alta taxa de iniquidade a que estamos submetendo o planeta.

Para o economista, nossa chance de vivermos num mundo ambiental e socialmente equilibrado passa pela urgente mudança de rota, tirando a economia da “necessidade” de mais produção e consumo, direcionando-a para um modelo de pura racionalidade ambiental.

A nova realidade econômica, segundo Marcus de Oliveira, deverá contemplar a noção central de que não haverá mais espaço para um tipo de economia que se coloque sobre tudo e sobre todos, principalmente submetendo a natureza em vista da acumulação de bens materiais, como se isso fosse o objetivo maior para se alcançar progresso.

Esse tipo de pensamento e de modelo está completamente esgotado, concluiu o economista.

Compartilhe / Comente

Notícias Relacionadas

« Voltar

Copyright © 2017 - Todos os direitos reservados

Rio Verde Agora