Médicos urologistas presos em Rio Verde sabiam que estavam agindo de forma ilegal, afirma delegado

Seis médicos urologistas, uma instrumentadora e secretária de um dos profissionais foram presos em uma operação realizada nesta quarta-feira (11), no Paraná e Goiás


Os médicos que foram presos suspeitos de reaproveitar materiais cirúrgicos descartáveis sabiam que estavam agindo de forma ilegal, afirmou a Polícia Civil.

“É impossível a existência desse tipo de crime sem a participação dos médicos”, disse o delegado Alexandre Macorin.

Os presos são:
    • Eufânio Estefano Saquetti, médico urologista (Campo Mourão)
    • Marcos Henrique Freitas Pinheiro, médico urologista (Ivaiporã)
    • Luiz Fernando Dip, médico urologista (Francisco Beltrão)
    • Daniel Rodrigues Magalhães, médico urologista (Goiânia)
    • Camilo de Viterbo Idalino, médico urologista (Rio Verde)
    • Ronaldo Sesconeto, médico urologista (Rio Verde)
    • Uma instrumentadora cirúrgica (Francisco Beltrão)
    • Uma secretária (Ivaiporã)
      
Também foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão.

A ação é um desdobramento da Operação AutoClave, deflagrada em setembro deste ano. Na época, cinco pessoas suspeitas de vender materiais que já tinham sido usados em outras cirurgias para médicos urologistas foram presas. 

Ao analisar os materiais apreendidos em setembro, a polícia identificou os seis médicos, a instrumentadora e secretária alvos da operação desta quarta-feira.

“Existem protocolos de fiscalização que devem ser seguidos após a utilização destes materiais. Etiquetas que indicam a procedência dos itens precisam ser retiradas e entregues ao plano de saúde ou ao hospital. No momento das cirurgias, os médicos não observavam a retirada destas etiquetas e reaproveitavam os materiais”, detalhou o delegado.

Em alguns casos, os materiais foram utilizados até 15 vezes antes de serem jogados fora.

O custo dos materiais era de R$ 1,2 mil, porém, eram comprados pelos profissionais por um preço entre R$ 250 e R$ 300, segundo a Polícia Civil.

Problema de saúde pública
Um paciente relatou que contraiu uma infecção após utilizar um cateter indicado por um dos médicos investigados.

"Fiz exames que comprovaram que tinha cálculos. Coloquei esse cateter para retirar em um prazo de dez dias. Mas, tive que voltar no médico porque estava sentindo muito febre, não conseguia me alimentar e estava desidratada. O diagnóstico foi uma infecção fortíssima", contou.

Crimes
Os crimes investigados são associação criminosa, falsidade ideológica de documento particular e adulteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais.

O que dizem os citados
As defesas de Camilo de Viterbo Idalino e Ronaldo de Almeida Sesconetto negaram as acusações e disseram que eles sempre usaram materiais lacrados.

A defesa de Eufânio Estefâno Saqueti afirmou que só vai se manifestar depois que tiver acesso ao inquérito policial.

O advogado de Daniel Rodrigues Magalhães disse que não vai se pronunciar.

G1

Compartilhe

Comente: Médicos urologistas presos em Rio Verde sabiam que estavam agindo de forma ilegal, afirma delegado